Cronograma capilar

Cronograma capilar: agenda completa para recuperar até os cabelos mais danificados

Hidratação, nutrição e reconstrução fornecerão tudo o que os fios precisam para ficarem saudáveis e lindos

Uso de chapinha, secador, procedimentos químicos, banhos com água muito quente, exposição ao sol, mar, piscina… Por mais que se tente evitar, os fios sofrem agressões quase que diariamente, o que faz com que os cabelos fiquem ressecados, quebradiços, com frizz e sem vida.

O cronograma capilar (CC) surgiu, então, com a proposta de “recuperar” a vivacidade dos mais variados tipos de cabelos, levando em conta as particularidades de cada caso, de maneira eficiente e completa.

Definimos o cronograma capilar como “uma tabela projeto de tratamento capilar de reconstrução, hidratação e devoluções de massa capilar e vitaminas para um cabelo”.

Em outras palavras, o cronograma capilar é “uma agenda de tratamentos para repor os nutrientes necessários para que os fios estejam sempre saudáveis”.

Com este sistema de tratamento, que é feito em um mês, e pode ser repetido quantas vezes forem necessárias, os fios são hidratados, nutridos e reconstruídos, por meio de doses semanais de produtos e máscaras diferentes.

Parece complicado, mas não é tanto. É preciso um pouco de paciência para entender como funciona o cronograma e como ele será útil às necessidades do seu cabelo em especial, além de boa vontade para seguir o tratamento corretamente. As vantagens, porém, geralmente compensam: cabelos mais macios, com brilho e completamente saudáveis.

O cronograma capilar é muito eficiente e super-recomendado para pessoas que passaram por agressões químicas, tais como alisamento, relaxamento, progressiva entre outras. “Na prática, digamos, é como uma tabela sugerida por um médico. Tais como seus remédios e suas horas e formas de uso. Desde que o cronograma seja usado da maneira adequada, teremos uma excelente recuperação dos fios”.

O cronograma capilar é extremamente válido para quem tem disciplina e a organização necessárias para segui-lo.

Está curiosa para entender como funciona o cronograma capilar e se ele pode mesmo ser útil nos cuidados com os seus cabelos?! Confira todas as informações abaixo.

Como fazer o CC: tudo o que você precisa saber

Foto: Getty Images

Todas as pessoas que passaram por algum tipo de danificação capilar serão beneficiadas com o cronograma capilar. “Ele servirá para reconstruir este cabelo e esta fibra”.

O cronograma dura um mês. “Havendo necessidade de continuidade, ele pode ser repetido até que os fios estejam saudáveis, com brilho e resistência”.

O cronograma tem que ser  usado, em média, até três meses ou, em casos de grande perda de massa capilar, até recuperar toda a elasticidade e saúde.

Vale destacar que existe o chamado “cronograma capilar oficial”, composto por oito hidratações, três nutrições e uma reconstrução no mês. Geralmente, ele é indicado para quem está começando com o procedimento. Depois, com o cabelo já com um aspecto melhor, a pessoa pode apostar num cronograma personalizado.

Atualmente, aliás, não é difícil encontrar na internet diferentes tipos de cronograma, e eles servem como uma orientação especialmente para quem está começando, mas a ideia é que a pessoa adapte as etapas de tratamento conforme as necessidades de seus cabelos. Não se esquecendo de respeitar sempre o intervalo mínimo de 48 horas entre os procedimentos.

Abaixo você conhece com detalhes os três processos do cronograma capilar:

Hidratação

Como ela age: A hidratação repõe água e aqueles nutrientes que fazem parte da formulação do creme utilizado. De imediato o cabelo fica mais macio ao toque e com mais brilho.

Quem precisa: Todos os cabelos devem ser hidratados, até mesmo os cabelos virgens, pois as agressões do sol, praia, piscina, secador, chapinha etc. Danificam e abrem as escamas, fazendo assim surgir pontas duplas, entre outros problemas. A hidratação é recomendada para todos os cabelos, pelo menos uma vez na semana.

O uso em excesso causa: possíveis danos ao fio. “O cuidado que se deve ter é com excesso de cremes no couro cabeludo, o que pode causar oleosidade e escamação”. Deve-se respeitar o intervalo mínimo de 48 horas entre as sessões, e o creme não pode permanecer nos cabelos mais tempo do que o estipulado na embalagem do produto.

Substâncias hidratantes: glicerina vegetal, glicerina (glicol, glycerin, gliceryD), bepantol, proteína elastina e colágeno (hydrolized collagen protein), extratos botânicos, panthenol, aloe vera, vitaminas, cetyl alcohol, cetearyl alcohol, sacarose, proteína de aveia, proteína de arroz, proteína da seda, proteína hidrolisada da soja, proteína hidrolisada do milho, mel, chocolate, entre outras.

 

Nutrição

Como ela age: O objetivo principal da nutrição é repor os lipídios necessários para devolver a oleosidade natural dos fios.

Quem precisa: pessoas que estejam com os fios ressecados, opacos e sem movimento. O resultado são cabelos mais sedosos, com peso e brilho.

O uso em excesso causa: “excesso de oleosidade, deixando os cabelos ensebados e pesados”.

Substâncias nutritivas: ceramidas, manteiga de karité (shea butter), manteiga de cacau (theobroma cação butter), manteiga de murumuru (astrocaryum murumuru seed butter), manteiga de cupuaçu (cocoa butter), manteiga de abacate (avocato butter), manteiga de macadâmia, manteiga de tutano (marrow butter), óleo de argan, óleo de tutano, óleo de abacate, óleo de oliva, óleo de coco.

 

Reconstrução

Como ela age: A reconstrução repõe massa e proteínas nos fios, devolvendo rigidez e força aos cabelos. A principal proteína que compõe os fios é a queratina, por isso, é extremamente importante realizar recarga de queratina pelo menos uma vez ao mês. Os cabelos ficarão mais encorpados e resistentes.

Quem precisa: pessoas com fios porosos e quebradiços.

O uso em excesso causa: pode enrijecer demais os fios. O excesso de proteínas pode causar uma degradação do fio. “Este processo de repor proteínas deve ser feito no máximo a cada 15 dias (e não menos do que isso), senão os fios ficarão muito duros e, assim, podem quebrar”.

Substâncias reconstrutoras: queratina, arginina, colágeno, cisteína, creatina, proteínas e aminoácidos de trigo etc.

É importante destacar que, na fase da reconstrução (ou restauração), a pessoa pode optar por usar um repositor de queratina ou uma máscara reconstrutora. O que não é recomendado é colocar queratina líquida em uma máscara que já é de reconstrução (já tem queratina). Isso porque, o excesso de queratina deixa os fios duros, podendo levar à quebra.

Abaixo, sugerimos os cronogramas capilares para casos específicos. Vale lembrar, porém, que não existe uma regra. A ideia é você apostar nos procedimentos (hidratação, nutrição e reconstrução) e ir sentindo como o seu cabelo reage, conseguindo detectar “do que ele mais precisa”.

É importante respeitar o intervalo mínimo de 48 horas entre os procedimentos. Por exemplo: se você fez uma hidratação na segunda-feira às 19h, poderá fazer outra hidratação, a nutrição ou a reconstrução somente depois das 19h de quarta-feira.

Umectação: o que é e para que serve?

Foto: Getty Images

A umectação é uma das formas de fazer a etapa da nutrição no cronograma capilar. Óleos e manteigas vegetais são utilizados para um trabalho de nutrição dos cabelos, repõem a gordura natural dos fios, proporcionando equilíbrio e saúde. O resultado é um cabelo mais sedoso, com peso, brilho e sem frizz.

Se você está se perguntando qual é exatamente a diferença entre umectação e nutrição capilar, a resposta é: a umectação é uma nutrição feita exclusivamente com óleos ou manteigas vegetais (o que exclui o uso de máscaras para nutrição, exceto as exclusivas para a umectação).

A umectação só pode ser feita com óleos ou manteigas vegetais puros (100% natural). Eles são facilmente encontrados em casas de produtos naturais, em supermercados ou em farmácias (ex: óleo de rícino) e a maioria não custa muito.

Não há uma regra na hora de fazer a umectação. Tem quem prefira fazer com os cabelos úmidos e quem prefira fazer com os cabelos secos. Como cada cabelo é único, o melhor é você testar e descobrir o que é melhor para seus fios (tanto em relação ao produto escolhido, como à maneira de realizar o procedimento).

Porém, um passo-a-passo conhecido é:

  1. O cabelo não precisa estar limpo e deve estar seco;
  2. Divida os cabelos em mechas e aplique o óleo/a manteiga em cada uma delas, da raiz às pontas;
  3. Massageie o couro cabeludo para ele também absorver os nutrientes;
  4. Deixe agir por cerca de uma hora e meia;
  5. Para remover, lave os fios, de preferência com um xampu transparente, mas que você já conheça e que não resseque os fios.
  6. Retire completamente o óleo dos cabelos, lavando mais de uma vez se for necessário.
  7. Para finalizar, você pode usar um condicionador para fechar as cutículas dos fios.

Entre os óleos/as manteigas mais utilizados no processo de umectação estão:

  • Máscaras específicas de umectação (ex: Lola Umectação Oliva);
  • Óleo de coco;
  • Óleo de amêndoas doces;
  • Óleo de rícino;
  • Azeite de oliva extravirgem;
  • Óleo de abacate;
  • Óleo de avelã;
  • Óleo de argan;
  • Óleo de girassol;
  • Óleo de linhaça;
  • Óleo de semente de uva;
  • Manteiga de cupuaçu;
  • Manteiga de murumuru;
  • Manteiga de cacau;
  • Manteiga de cupuaçu.

Há também quem prefira deixar a umectação agir de um dia para o outro no cabelo, dormindo com a óleo nos fios. Nesse caso, recomenda-se proteger o travesseiro com uma toalha para que o óleo não se acumule ali.

Como saber se meu cabelo precisa de H, N ou R?

Foto: Getty Images

Esta é, provavelmente, a dúvida mais comum quando o assunto é cronograma capilar. Como saber se o cabelo precisa de hidratação, nutrição ou reconstrução?

O que define a necessidade é a condição do fio: “se ele está saudável, as sessões são em menor número e, quanto mais danificados estão os fios, mais sessões serão necessárias. Mas, independentemente disso, os três procedimentos são indicados para todos os tipos de cabelo, uma vez que todo mundo passa por alguém processo que pode vir a sensibilizá-los, sejam estes fatores climáticos (vento, poluição), sejam fatores químicos (alisamentos, colorações)”.

Para saber do que seu cabelo precisa mais, você deve analisá-lo: em que estado ele se encontra? Está quebrando? Sem brilho? Sem balanço? Fino? Com pontas duplas? Analise estes e outros pontos.

É fundamental também pensar por quais procedimentos seus fios já passaram: tintura? Alisamentos? Descoloração? Progressiva?

E, também, considerar se o seu cabelo é fino, liso, grosso, cacheado, oleoso etc.

É difícil falar em uma regra, mas as orientações abaixo podem ajudar você a perceber do que seus cabelos mais precisam no momento:

  • Cabelos sem brilho, armados, embaraçados, ressecados: certamente eles precisam de hidratação. E lembre-se: todo cabelo precisa de hidratação.
  • Cabelos com frizz, desalinhados e porosos: provavelmente precisam de hidratação ou umectação.
  • Cabelos muito finos, com pontas duplas e quebradiços: precisam provavelmente de reconstrução.

Lembrando que todo cabelo precisará de hidratação, de nutrição e de reconstrução em algum momento. Um cabelo que, hoje, precisa de muita hidratação, por exemplo, pode, daqui um ou dois meses, precisar de mais reconstrução.

Um fator importante é avaliar a porosidade do seu cabelo. O tipo de porosidade indica a capacidade que os seus fios têm de absorver água e também as substâncias (hidratantes, nutritivas) que você usa para tratar e cuidar deles no dia a dia. O ideal é o equilíbrio: nem muito e nem pouco poroso.

Se a porosidade está muito alta, significa que as cutículas dos fios estão abertas, então, você pode fazer tratamentos capilares, mas os fios nem sempre conseguem reter o que é necessário. Por outro lado, se a porosidade é muito baixa, as cutículas estão bem fechadas, também resistentes a tratamentos, já que não conseguem absorver as substâncias necessárias.

Teste de porosidade

Para avaliar a porosidade dos seus cabelos, utilize o teste do copo: basta pegar um copo com água em temperatura ambiente e colocar um fio do seu cabelo limpo (sem nenhum produto) dentro, deixando ali por sete minutos.

Se o fio flutuou, você tem baixa porosidade. Com a cutícula bem fechada, seu cabelo está provavelmente resistente a cremes e óleos, não deixando os produtos penetrarem. Óleo e calor podem ser seus aliados. Quando for hidratar, tome banho quente para o vapor entrar e abrir sua cutícula, então aplique a máscara, depois, sele os fios com óleos como o de coco ou de abacate, por exemplo. Umectação constante é importante para ajudar a devolver o equilíbrio dos fios.

Se o fio ficou no meio do copo, você tem porosidade normal. É o ideal, sua cutícula é ligeiramente elevada, permite, assim, que os tratamentos sejam absorvidos. Vale destacar que quem tem cabelos com porosidade normal não necessita de hidratação com tanta constância, já que os fios absorvem facilmente a umidade.

Se o fio afundou, você tem alta porosidade. Com as cutículas muito abertas, o cabelo absorve mais umidade do que é capaz de reter, além de ter mais dificuldade para reter as substâncias oferecidas em tratamentos. Esse tipo de cabelo geralmente tem textura instável, fica sem brilho, com frizz e facilmente embaraçado. Proteína neste caso é muito importante. Mas, claro, sem exageros, afinal, o excesso deixa o cabelo duro e leva à quebra.

Dúvidas comuns sobre o cronograma capilar

Foto: Getty Images

Abaixo você confere o esclarecimento para as principais dúvidas sobre o tema:

1. Que Shampoo/condicionador devo usar durante o mês do CC?

“O recomendado é que utilize sempre a linha completa do mesmo fabricante, pois os produtos são desenvolvidos de maneira que se complementem”.

Sugerimos utilizar, durante o cronograma capilar, um shampoo e um condicionador que você goste. “Se tiver a oportunidade de comprar o shampoo da mesma marca da máscara, melhor, mas fica a seu critério. Mas, de forma geral, não recomendo que as pessoas com cabelo muito danificado utilizem shampoo antirresíduo… Devem usar, no máximo, um shampoo transparente na reconstrução”.

2. Após todo processo devo lavar meu cabelo normalmente e aplicar condicionador?

“Não é necessário, pois os cremes utilizados nos processos já têm função condicionante”.

3. É possível fazer um CC barato com apenas 3 produtos (uma máscara, azeite extravirgem e vinagre)?

A utilização desses produtos pode oferecer bons resultados, mas tudo depende do cabelo da pessoa. “É tudo muito relativo, o que é bom para mim pode não ser bom para você. Um cabelo que não está tão danificado talvez se beneficie deste tipo de tratamento. Mas, no caso de um cabelo totalmente danificado, sem vida, provavelmente será necessário um tratamento mais complexo, com produtos bem específicos. Por isso, em caso de dúvidas, é legal sempre conversar com um profissional”.

4. Depois de fazer o CC por um mês, quando posso voltar a fazer novamente?

Moreira esclarece que o CC pode ser repetido mensalmente, até o cabelo estar saudável, com brilho, movimento e macio ao toque.

5. Por onde começar o cronograma capilar?

“É válido pesquisar bastante sobre o assunto e, assim, conhecer melhor seu cabelo, entender que tipo de tratamento ele mais precisa receber. Em caso de dúvida, converse com um cabeleireiro de sua confiança. Uma dica válida é iniciar pelo cronograma capilar oficial… Depois, quando você já estiver mais familiarizada com o tratamento, começa a personalizar o seu cronograma. Lembrando sempre que todo cabelo precisa de nutrição, hidratação e reconstrução, então, não há grandes riscos de apostar neles, claro que com bom senso, nada em exagero faz bem para os fios”.

Foto: Getty Images

 

Agora você já sabe como funciona o famoso cronograma capilar e quais benefícios ele pode oferecer aos fios! Quer ter cabelos mais fortes, macios, sem frizz ou pontas duplas?! Aposte numa “agenda de tratamento” personalizada e dê aos seus cabelos tudo o que eles estão precisando para terem mais saúde e beleza!

Faça um Tour pelo salão